Type de publication:

Book Chapter

Source:

Da Silva Rosa Teresa (org), Sobre riscos e desastres, Ed. Insular, Florianópolis, Brasil (2020)

Numéro d'appel:

halshs-02943473

URL:

https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-02943473

Résumé:

1. INTRODUÇÃO Estamos vivendo, atualmente, na perspetiva de uma catástrofe anunciada, quer se trate da aceleração impressionante das mudanças climáticas, do colapso da biodiversidade ou do espetacular desenvolvimento de riscos ambientais. Como escapar do efeito de sideração quando colapsologistas preveem o colapso do mundo que conhecemos hoje, antes de 2050? Como restabelecer um "sens des possibles" (senso de possibilidades) nestes momentos de sideração marcados por esta perspetiva catastrófica? Acreditamos que devemos nos apoiar em uma concepção de mundo, o pragmatismo, que restitui a importância "das possibilidades da experiência, e à imaginação que conduz a experiência a se interessar no que ainda não foi estabelecido e poderá acontecer" (Debaise, 2016, p. 3). Neste artigo, propomos esboçar uma análise desta estranha situação. Primeiro, procuraremos compreender melhor os paradoxos da catástrofe refletindo sobre seu modo de existência, sua ontologia singular. Em seguida, apresentaremos o Brasil, como exemplo, para descrever o tempo das catástrofes em que vivemos. Por fim, propomos identificar algumas pistas, baseadas no pragmatismo, para atuar neste período difícil de catástrofe. 2. IDENTIFICAR A REALIDADE PARADOXAL DA CATÁSTROFE

Notes:

Humanities and Social SciencesHumanities and Social Sciences/Political scienceHumanities and Social Sciences/Architecture, space managementEnvironmental SciencesBook sections

Equipe de recherche :