Type de publication:

Book Chapter

Source:

Imagens Urbanas - cidade doce e bem-estar na cidade - reimaginar a habitação precária, Anablume Editora, São Paulo, Brasil (2020)

Numéro d'appel:

halshs-02943484

URL:

https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-02943484

Résumé:

O presente artigo apresenta uma pesquisa em andamento, uma colaboração pluridisciplinar entre a CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e as equipes francesas Territoire (UMR 5194 PACTE) e CRESSON (UMR 1563 Ambiances). A pesquisa tem como objetivo experimentar diferentes métodos qualitativos para implementar uma comunicação participativa do risco junto às populações que vivem em áreas de risco da Região Metropolitana de São Paulo. O Condominío Residencial Barão de Mauá, área selecionada para este estudo, se constitui em um verdadeiro laboratório para estudar uma situação de risco de contaminação do solo e das águas subterrâneas. Neste contexto, nossa contribuição implementa duas abordagens complementares e articuladas: a abordagem das controvérsias que atualiza as posições e a lógica dos vários atores envolvidos nessa situação de risco; e a abordagem das ambiências de risco que descreve a experiência dos moradores. A análise das controvérsias pode ser usada como um instrumento metodológico para compreender como se constituem os novos problemas públicos nos quais os riscos emergentes são um exemplo emblemático. Ela irá analisar os atores mobilizados, os argumentos que são trocados, os objetos que circulam e se transformam, os acordos que se constituem e se dissolvem, para identificar os aspectos mais importantes e analisar os bloqueios. Em relação à abordagem das ambiências, um trabalho de imersão antropológica de uma equipe de pesquisa franco-brasileira foi realizado em Barão de Mauá. Um dispositivo de investigação original foi implementado para desenvolver uma etnografia sensível desse ambiente contaminado. A hipótese deste estudo é que uma ambiência de risco se manifesta nas percepções sensíveis, nos traços materiais e nos traços da memória, nos gestos cotidianos, nas palavras do dia a dia, nas tonalidades afetivas, nas paisagens singulares e nas maneiras de estar juntos. Ambas as abordagens se mostraram complementares por vários pontos de vista: na implementação de diversas escalas de tempo envolvidas na situação de risco (longa temporalidade quando se trata da história sócio-política do bairro e curta temporalidade quando se trata da experiência cotidiana dos habitantes), na articulação dos vários níveis de análise (análise da lógica dos atores e análise das experiências dos moradores). A articulação destas duas abordagens amplia o conceito de comunicação de risco pois abre espaço à percepção qualitativa do risco e à complexidade das situações de vulnerabilidade, levando a uma proposta de comunicação participativa do risco.

Notes:

Humanities and Social SciencesHumanities and Social Sciences/Political scienceHumanities and Social Sciences/Social Anthropology and ethnologyHumanities and Social Sciences/PhilosophyHumanities and Social Sciences/Architecture, space managementBook sections

Equipe de recherche :